CONECTE-SE CONOSCO

Ciência

Coronavírus: site monitora em tempo real número de casos confirmados do vírus mortal

O painel ao vivo extrai dados de fontes como a Organização Mundial de Saúde para mostrar todos os casos confirmados e suspeitos de coronavírus, além de recuperações e mortes.

Publicado

em

O Centro de Ciência e Engenharia de Sistemas lançou um painel on-line que rastreia a disseminação do coronavírus mortal à medida que se espalha pelo mundo.

Acredita -se que o coronavírus – que causa uma doença respiratória conhecida como COVID-19 tenha se originado na cidade de Wuhan, na província de Hubei, na China, e até agora matou mais de 3.800 pessoas em todo o mundo e adoeceu mais de 80.000 na China. Apesar dos esforços do governo chinês para conter a disseminação do vírus, foram confirmados casos em todos os continentes, exceto na Antártica.

Painel online do Coronavírus

Acompanhe o coronavírus em um mapa em tempo real

O painel ao vivo  extrai dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) bem como dos centros de controle de doenças na EUA, China Europa e Africa – para mostrar todos os casos confirmados e suspeitos de coronavírus, além de pacientes e mortes recuperados. Os dados são visualizados através de um sistema de informações gráficas em tempo real (SIG), fornecido pela Esri.  Veja agora no GIS

Os infectados com coronavírus conhecidos formalmente como SARS-CoV-2 – apresentam sintomas semelhantes a pneumonia, incluindo febre, tosse e falta de ar.

O painel ao vivo lista notícias atualizadas sobre a disseminação do vírus, bem como relatórios de situação e mapas de áreas infectadas. Pesquisadores da Universidade de Oxford, Harvard Medical School, Boston Children’s Hospital e Northeastern University também lançaram um site de rastreamento de vírus com atualizações em tempo real.

O coronavírus foi relatado pela primeira vez à OMS em 31 de dezembro, com pesquisadores chineses ligando a doença à família de vírus coronavírus, que também inclui a SARS mortal e a síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS).

Jose é um editor sênior criativo, que gosta de tecnologia. Tem um interesse profundo no Android e nos jogos da plataforma, e ainda acredita que o WebOS é o futuro da computação moderna.

Continue Lendo
Clique para Comentar

Responder

Ciência

Elon Musk apresenta demonstração dos implantes cerebrais da Neuralink

O design do dispositivo mudou desde o ano passado, mas a grande expectativa era que seria apresentado um humano com chip no cérebro

Publicado

em

A Neuralink, empresa de interface cérebro-máquina fundada por Elon Musk, mostrou hoje, dia 29 de agosto, os avanços que a sua empresa teve nos últimos meses. A expectativa era que seria apresentados os primeiros testes do chip BCI (Brain Computer Interface) em humanos. Ainda não foi o momento de dar esse passo, mas a empresa fez atualizações importantes no produto. A maior delas foi em seu design, que ficou imperceptível.

O chip é totalmente desenvolvido pela Startup de Musk e tem propostas ambiciosas. O CEO fala que o cérebro vai se tornar uma extensão das máquinas externas. Isso tornará possível controlar equipamentos apenas pelo pensamento. Outra proposta era tocar músicas diretamente no cérebro, dispensando fones de ouvido.

Na apresentação, Musk começa falando que o chip pretende resolver problemas importantes. Isso significa que ele pode suprir diferentes danos no cérebro, que podem dificultar diferentes aspectos da vida das pessoas. As doenças mencionadas foram: ansiedade, depressão, amnésia, danos na coluna, tetraplégicos ou paraplégicos, entre várias outras.

Para que esse chip seja instalado, é necessário uma avaliação médica. Isso porque, principalmente, é necessário fazer uma cirurgia. Musk menciona que a duração da instalação do chip deve ser de menos de uma hora, e a recuperação é rápida. A parte do crânio é aberta, o chip é inserido e depois a incisão é fechada e colada. O resultado é uma pequena cicatriz.

Uma grande novidade apresentada foi o novo design. Anteriormente, uma parte do chip ficaria em um aparelho atrás da orelha. Ele não era nada discreto e era difícil de ser instalado, segundo Musk.

O novo modelo é muito menor e dispensa a parte externa. Musk diz que ficará uma pequena cicatriz que não será notada. Ele brinca falando “Eu poderia ter uma neste momento e vocês não saberiam. Talvez eu tenha”.

O que todo mundo estava ansioso para ver é se o chip realmente funciona. A demonstração foi feita com três porcos. Um ainda não tinha o implante, outro o produto havia sido inserido e depois foi removido e o terceiro está conectado com o Neurolink em seu cérebro.

A demonstração mostrou que os três porcos estavam felizes e saudáveis. Contando com os que tiveram o chip e, os que ainda não haviam sido cobaia para os implantes. Foi possível mostrar os eletrodos conectados ao cérebro do animal e ver as ações feitas. O Neuralink consegue ler a atividade cerebral.

Outra nova informação foi o fato de poder ter mais de um implante, de uma única vez. Também foi mencionado que a cirurgia é reversiva. Isso significa que, caso o cliente não esteja satisfeito, ou queira remover o chip, será preciso passar por mais uma cirurgia, mas nenhum dano deve ser notado. Os cientistas não perceberam alterações nos porcos que foram submetidos à cirurgia.

O Neuralink já foi certificado pelo FDA e tem a homologação necessária para começar a ser implementado. Neste momento, não foram apresentados testes em pessoas. Musk pede para que engenheiros mandem seus currículos para a empresa, e ajudar o desenvolvimento avançar.

Continue Lendo

Ciência

Cientistas afirmam ter encontrado a primeira proteína extraterrestre conhecida em um meteorito

Publicado

em

Uma nova descoberta poderia ser uma pista para vermos se a vida poderia surgir em outras partes do Sistema Solar. Usando uma nova técnica de análise, os cientistas acham que encontraram uma proteína extraterrestre, escondida dentro de um meteorito que caiu na Terra há 30 anos.

Se seus resultados puderem ser replicados, será a primeira proteína já identificada que não se originou aqui na Terra.

“Este artigo caracteriza a primeira proteína a ser descoberta em um meteorito”, escreveram os pesquisadores em um artigo enviado ao servidor de pré-impressão arXiv . Seu trabalho ainda está para ser revisto por pares, mas as implicações dessa descoberta são dignas de nota.

Nos últimos anos, meteoritos do Sistema Solar em geral estão produzindo alguns blocos de construção para a vida como a conhecemos. Cianeto, que poderia desempenhar um papel na construção de moléculas necessárias para a vida; ribose, um tipo de açúcar encontrado no RNA; e aminoácidos, compostos orgânicos que se combinam para formar proteínas.

Embora não seja prova de criaturas vivas extraterrestres, essa descoberta de proteínas faz com que mais um dos blocos de construção da vida seja encontrado em uma rocha espacial. Existem muitos processos que podem produzir proteínas, mas a vida, até onde sabemos, não pode existir sem ela.

“Em geral, eles estão pegando um meteoro que foi preservado por um museu e analisado anteriormente. E estão modificando as técnicas que estão usando para poder detectar aminoácidos dentro desse meteoro, mas em uma taxa de sinal mais alta “, disse à ScienceAlert o astrônomo e químico Chenoa Tremblay da CSIRO Astronomy & Space Science na Austrália, que não estava envolvido na pesquisa.

A equipe não apenas encontrou o aminoácido glicina com um sinal mais forte do que a análise anterior , como descobriu que ele estava ligado a outros elementos, como ferro e lítio. Quando eles realizaram modelagem para ver o que estava acontecendo, descobriram que a glicina não estava isolada; fazia parte de uma proteína.

Os pesquisadores estão chamando essa proteína de hemolitina recém-descoberta. Embora a hemolitina seja estruturalmente semelhante às proteínas terrestres, sua proporção de deutério em relação ao hidrogênio não foi correspondida por nada na Terra. É, no entanto, consistente com cometas de longo período.

Isso sugere, argumentam os pesquisadores, que a estrutura que eles identificaram como proteína é de origem extraterrestre e possivelmente formada no disco proto-solar, há mais de 4,6 bilhões de anos atrás.

Mas eles também observam que há uma possibilidade do que eles descobriram não ser proteína. Embora a equipe pense que é a explicação mais provável, também é possível que a descoberta seja realmente um polímero – uma ampla classe de moléculas, das quais as proteínas são apenas uma.

Portanto, é um pouco cedo para se deixar levar demais. Mas, no geral, Tremblay está impressionado com o trabalho.

“Acho isso realmente emocionante”, disse ela. “Acho que tem muitas implicações realmente interessantes e muitos argumentos convincentes. E acho que é realmente um grande passo adiante”.

Existem vários próximos passos que a pesquisa poderá adotar. Outros cientistas podem pegar os espectros e usar o software de modelagem para tentar replicar estruturas que produzem os mesmos espectros ou similares. Isso pode ajudar a determinar se estamos analisando proteínas ou um tipo diferente de polímero.

Técnicas semelhantes poderiam agora ser usadas em outros meteoritos nos quais foram encontrados aminoácidos, para verificar se estruturas semelhantes podem ser encontradas.

Como Tremblay explica, estudos recentes na Estação Espacial Internacional indicaram que “a proteína deve ser mais fácil de fabricar no espaço por causa da gravidade reduzida”, e os cientistas astronautas conseguiram produzir moléculas de proteína bastante grandes, estáveis ​​o suficiente para serem trazidas à Terra .

“Portanto, temos certeza de que as proteínas provavelmente existirão no espaço”, diz ela. “Mas se podemos realmente começar a encontrar evidências de sua existência, e quais podem ser algumas das estruturas e estruturas comuns, acho isso realmente interessante e emocionante”.

A pesquisa está atualmente disponível no  arXiv .

Continue Lendo

Ciência

Cientistas criam bonecas sexuais para estudarem a vida sexual de tartarugas

Um novo estudo investigou se as tartarugas machas do norte têm ou não preferência por fêmeas maiores ou menores. Como se vê, o tamanho importa.

Publicado

em

Ecologistas da Universidade de Carleton estão preocupados com as tartarugas cartográficas do norte do Canadá. Embora não estejam em perigo, eles são classificados como uma “preocupação especial” em Ontário. Para proteger as espécies, os especialistas estão usando “bonecas sexuais” de tartaruga impressas em 3D para estudar as preferências de acasalamento do animal.

O instrutor de Ecologia e Biologia Evolutiva, Grégory Bulté, detalhou este estudo peculiar na The Conversation, explicou que sabemos muito pouco sobre as tartarugas. Como esses bichos de casca dura são notoriamente difíceis de monitorar, Bulté e sua equipe não tiveram escolha a não ser usar “chamarizes de animais” anatomicamente precisos, além de câmeras ocultas, sabe-se que essas tartarugas mergulham na água assim que se sentem um pouco ameaçadas.

O estudo de abril de 2018 da equipe focou especificamente se os homens tinham ou não uma preferência de tamanho. Esta espécie é um excelente exemplo de dimorfismo sexual, com as fêmeas sendo geralmente maiores que os machos, a pesquisa concluiu que os machos geralmente preferiam um pouco mais de carne em seus parceiros. Para descobrir, é claro, Bulté e seus colegas tiveram que enganá-los a se aproximar de suas bonecas sexuais de tartaruga para monitorar quais formas e tamanhos eram mais populares.

Bulté disse que ficou impressionado com essa idéia enquanto mergulhava no lago Opinicon.

“Muitas vezes eu via machos cortejando fêmeas ou as seguindo”, disse Bulté. “Estar interessado em entender o comportamento deles, apenas me perguntei se poderíamos enganar os machos com modelos femininos realistas. Tentei pela primeira vez com um Go-Pro emprestado de um amigo e uma carapece de tartaruga de mapa antiga (concha) que alguém me deu. Funcionou. Os machos vieram conferir, então começamos a procurar chamarizes usando nossa impressora 3D.”

A equipe usou a digitalização de uma amostra de tartaruga seca para imprimir em 3D vários chamarizes. Os modelos femininos bastante realistas vieram em dois tamanhos – 8,3 polegadas e 9,8 polegadas. Equipadas com câmeras Go-Pro, ambas foram colocadas na água durante a estação de acasalamento e desejaram boa sorte.

Como mostra a filmagem acima, os homens estavam muito mais interessados ​​nas mulheres maiores. Como companheiros de tartaruga maiores geralmente depositam ovos maiores e filhotes maiores aumentam a chance de sobrevivência, os especialistas esperavam esse resultado.

No entanto, os dados tiveram algumas surpresas.

“Enquanto examinávamos os vídeos de nossos experimentos, testemunhamos vários fenômenos que não sabíamos serem possíveis, incluindo uma tartaruga-mapa fêmea aparentemente chiando em um chamariz feminino e atacando um chamariz masculino”, disse Bulté.

Estudar o comportamento animal sempre consistiu em monitorar uma espécie por um longo período de tempo. Embora os fatores possam diferir extensivamente, o processo científico é bastante universal. O interessante aqui é que a tecnologia moderna está permitindo um campo de jogo totalmente novo.

Bulté acrescentou: “A onipresença e o preço acessível das câmeras de ação certamente renderão muitas observações perspicazes sobre animais aquáticos, incluindo tartarugas. Alguns podem influenciar o modo como pensamos sobre o comportamento animal, outros podem ser apenas boatos intrigantes de um mundo amplamente inexplorado.”

Continue Lendo

Ciência

NASA encontra Gelo logo abaixo da superfície de Marte

Já sabemos há algum tempo que há água em Marte em forma de gelo. Em 2008, a sonda Mars Phoenix da NASA descobriu água congelada em uma amostra de solo após pousar no planeta um mês antes.

Publicado

em

Para explorar o sistema solar além do nosso planeta, um fator importante é a capacidade de localizar água que pode ser usada para beber e criar combustível para foguetes. Para ajudar na busca de água nas proximidades de Marte, a NASA lançou um “mapa do tesouro” de possíveis localizações de gelo no planeta vermelho.

Os pesquisadores criaram o mapa da superfície marciana que mostra onde se acredita que o gelo da água (chamado porque outros compostos químicos podem congelar). Em alguns lugares, o gelo fica a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície, tornando-o facilmente acessível para futuros visitantes. Cores frias representam gelo mais próximo da superfície, enquanto cores quentes são mais profundas.

O gelo pode ser alcançado com uma pá, dizem os especialistas “Você não precisaria de uma retroescavadeira para desenterrar este gelo. Você poderia usar uma pá”, disse em um post no blog o principal autor do artigo, Sylvain Piqueux, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA . “Continuamos a coletar dados sobre gelo enterrado em Marte, focando nos melhores lugares para os astronautas pousaram”.

A localização de reservas de gelo é importante para permitir missões tripuladas ao planeta e pode ajudar a identificar locais para projetos como a base planejada da SpaceX em Marte . A água é pesada para transportar a bordo de foguetes, portanto, encontrá-la em Marte pode ajudar os humanos a sobreviverem lá. No entanto, como o planeta possui uma atmosfera tão fina, a maior parte da água na superfície evapora rapidamente.

Já sabemos há algum tempo que há água em Marte em forma de gelo. Em 2008, a sonda Mars Phoenix da NASA descobriu água congelada em uma amostra de solo após pousar no planeta um mês antes.

Olhar abaixo da superfície marciana oferece a melhor esperança de encontrar gelo de água acessível e que pode até haver água líquida sob as calotas polares . Com este novo mapa, os pesquisadores têm um plano para começar a planejar missões e, eventualmente, enviar astronautas para Marte.

Fonte: NASA

Continue Lendo

Tendências