CONECTE-SE CONOSCO

Publicado

em

A fabricante de robôs Boston Dynamics finalmente colocou seu robô de quatro patas Spot à venda em geral. Após anos de desenvolvimento, a empresa começou a alugar a máquina para as empresas no ano passado e, a partir de hoje, agora permite que qualquer empresa dos EUA compre seu próprio local por US $ 74.500. É um preço alto mas a Boston Dynamics diz que por esse valor, você está obtendo o robô móvel mais avançado do mundo, capaz de ir a praticamente qualquer lugar que um ser humano puder (desde que não haja escadas envolvidas).

Embora o Spot seja certamente ágil, sua carga de trabalho está atualmente limitada principalmente a pesquisas e coleta de dados. As implementações de teste viram o Spot criar mapas 3D de obras e procurar falhas de máquinas em plataformas de petróleo offshore. Testes menos rotineiros incluem ajudar os hospitais a triagem de pacientes com COVID-19 e de maneira controversa, trabalhar com um esquadrão antibomba da polícia.

O argumento da Boston Dynamics é que o Spot é uma “plataforma de mobilidade” multiuso que pode ser personalizada com diferentes sensores e programada para realizar patrulhas e inspeções.

O Spot pode ser equipado com uma variedade de cargas personalizadas, incluindo sensores e scanners. GIF: Boston Dynamics

A empresa diz que continuará atualizando o Spot à medida que obtém feedback dos clientes, mas que o robô está finalmente pronto para a venda em geral. Isso se deve em parte a uma recente atualização de software codificada pelos engenheiros da Boston Dynamics que trabalham em casa com suas próprias unidades Spot. O Spot 2.0, como a atualização é chamada, permite recursos mais avançados de autonomia e navegação.

OS CLIENTES PODERÃO TESTAR O SPOT REMOTAMENTE

Um recurso no qual a Boston Dynamics está trabalhando atualmente é o tele-operação remota. Uma versão demo desse recurso estará disponível para clientes em potencial do Spot que poderão fazer uma unidade para um test drive em um curso de assalto por robô na sede da empresa.

Isso permitirá que os clientes experimentem antes de comprarem no momento em que as viagens são restringidas pela pandemia, disse ao vice-presidente de desenvolvimento de negócios da Boston Dynamics, Michael Perry, ao The Verge. “Alguns dos clientes com quem estamos conversando estão no modo ‘cale a boca e pegue meu dinheiro'”, diz Perry. “Mas outros dizem: ‘Estou interessado no Spot, mas quero ir ao seu laboratório e dirigir um robô ou você me visitar.’” A teleoperação ajuda a resolver esse problema.

Eu mesmo pude experimentar o recurso de teleoperação, dirigindo uma unidade Spot pela área de testes da Boston Dynamics a partir de minha casa, a cerca de 4.000 milhas de distância em Londres. Depois de fazer login em um aplicativo Web no site da Boston Dynamics, consegui configurar a visualização da minha câmera, escolhendo entre câmeras externas no laboratório da empresa, as próprias câmeras da Spot e um mapa 3D do ambiente gerado pela própria máquina.

Embora o Spot seja uma celebridade no mundo dos robôs, ainda é um produto muito limitado. Até o momento, a empresa concedeu cerca de 150 unidades a clientes e não cumprirá sua meta de produzir 1.000 robôs Spot este ano devido ao impacto do coronavírus. (Ele atingirá o objetivo no primeiro trimestre de 2021, diz Perry.) Os clientes também estarão limitados a comprar dois robôs por vez, e pedidos maiores precisarão ser discutidos com a Boston Dynamics.

Fonte: The Verge

Jose é um editor sênior criativo, que gosta de tecnologia. Tem um interesse profundo no Android e nos jogos da plataforma, e ainda acredita que o WebOS é o futuro da computação moderna.

Continue Lendo
Clique para Comentar

Responder

Ciência

Elon Musk apresenta demonstração dos implantes cerebrais da Neuralink

O design do dispositivo mudou desde o ano passado, mas a grande expectativa era que seria apresentado um humano com chip no cérebro

Publicado

em

A Neuralink, empresa de interface cérebro-máquina fundada por Elon Musk, mostrou hoje, dia 29 de agosto, os avanços que a sua empresa teve nos últimos meses. A expectativa era que seria apresentados os primeiros testes do chip BCI (Brain Computer Interface) em humanos. Ainda não foi o momento de dar esse passo, mas a empresa fez atualizações importantes no produto. A maior delas foi em seu design, que ficou imperceptível.

O chip é totalmente desenvolvido pela Startup de Musk e tem propostas ambiciosas. O CEO fala que o cérebro vai se tornar uma extensão das máquinas externas. Isso tornará possível controlar equipamentos apenas pelo pensamento. Outra proposta era tocar músicas diretamente no cérebro, dispensando fones de ouvido.

Na apresentação, Musk começa falando que o chip pretende resolver problemas importantes. Isso significa que ele pode suprir diferentes danos no cérebro, que podem dificultar diferentes aspectos da vida das pessoas. As doenças mencionadas foram: ansiedade, depressão, amnésia, danos na coluna, tetraplégicos ou paraplégicos, entre várias outras.

Para que esse chip seja instalado, é necessário uma avaliação médica. Isso porque, principalmente, é necessário fazer uma cirurgia. Musk menciona que a duração da instalação do chip deve ser de menos de uma hora, e a recuperação é rápida. A parte do crânio é aberta, o chip é inserido e depois a incisão é fechada e colada. O resultado é uma pequena cicatriz.

Uma grande novidade apresentada foi o novo design. Anteriormente, uma parte do chip ficaria em um aparelho atrás da orelha. Ele não era nada discreto e era difícil de ser instalado, segundo Musk.

O novo modelo é muito menor e dispensa a parte externa. Musk diz que ficará uma pequena cicatriz que não será notada. Ele brinca falando “Eu poderia ter uma neste momento e vocês não saberiam. Talvez eu tenha”.

O que todo mundo estava ansioso para ver é se o chip realmente funciona. A demonstração foi feita com três porcos. Um ainda não tinha o implante, outro o produto havia sido inserido e depois foi removido e o terceiro está conectado com o Neurolink em seu cérebro.

A demonstração mostrou que os três porcos estavam felizes e saudáveis. Contando com os que tiveram o chip e, os que ainda não haviam sido cobaia para os implantes. Foi possível mostrar os eletrodos conectados ao cérebro do animal e ver as ações feitas. O Neuralink consegue ler a atividade cerebral.

Outra nova informação foi o fato de poder ter mais de um implante, de uma única vez. Também foi mencionado que a cirurgia é reversiva. Isso significa que, caso o cliente não esteja satisfeito, ou queira remover o chip, será preciso passar por mais uma cirurgia, mas nenhum dano deve ser notado. Os cientistas não perceberam alterações nos porcos que foram submetidos à cirurgia.

O Neuralink já foi certificado pelo FDA e tem a homologação necessária para começar a ser implementado. Neste momento, não foram apresentados testes em pessoas. Musk pede para que engenheiros mandem seus currículos para a empresa, e ajudar o desenvolvimento avançar.

Continue Lendo

Tendências